busca
br
en
Ministério Público pede preservação do Marco do Centenário de Juiz de Fora
13 de março de 2014

O Ministério Público de Minas Gerais (MPMG) propôs Ação Civil Pública contra o município deJuiz de Fora e a Fundação Cultural Alfredo Ferreira Lage (Funalfa) pedindo a adoção de medidas para a preservação do Marco Comemorativo do Centenário da cidade, localizado na Praça da República, no Bairro Poço Rico. O painel é o primeiro mosaico modernista em Praça Pública do país, do artista Di Cavalcanti. Segundo a ação, apesar de ser patrimônio tombado pelo município e pela União, o monumento modernista encontra-se em precário estado de conservação, apresentando pichações, perda do revestimento de pastilhas, infiltrações e acúmulo de lixo no entorno. A Funalfa informou que busca solução para o problema.

Conforme consta no site do MP, os autores da ação, José Célio Martins de Abreu, promotor de Justiça de Defesa do Patrimônio Cultural de Juiz de Fora, e Marcos Paulo de Souza Miranda, coordenador da Promotoria Estadual de Defesa do Patrimônio Cultural de Turístico de Minas Gerais, o marco constitui-se como o primeiro mural modernista em mosaico instalado em praça pública no Brasil. “Apesar da notável relevância, o monumento e a Praça da República encontram-se na mais absoluta situação de abandono”, afirmam os autores da ação.

De acordo com eles, é necessário que seja elaborado e executado projeto de requalificação do espaço da Praça da República, prevendo os aspectos paisagístico e luminotécnico, além da instalação de mobiliário urbano adequado. O objetivo é criar um espaço mais atrativo à visitação e permanência das pessoas no local.

Segundo o MPMG, a ação pede ainda que sejam determinadas a elaboração e a execução de projeto de restauração do Marco do Centenário, a instalação de placa informativa sobre a história, a autoria e a importância do monumento; bem como a conservação permanente com manutenção de guarda no local.

A Funalfa informou que recebeu cópia da notificação feita ao município pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) e que tem ciência do problema que ocorre no Marco Comemorativo do Centenário de Juiz de Fora. Dentro do limite de suas atribuições, a Fundação afirmou que vem buscando uma solução e que, neste momento, se esforça por uma articulação entre diversos órgãos da Prefeitura Municipal para responder, devidamente, ao Iphan.

Fonte: http://g1.globo.com/mg/zona-da-mata

marco_centenario_juiz_de_fora

Deterioração e vandalismo ameaçam a estrutura do patrimônio modernista na Praça da Republica

 

Marco Comemorativo do Centenário de Juiz de Fora

Projetado pelo engenheiro Arthur Arcuri (1913-2010) em 1949, teve o desenho de seu painel idealizado por Di Cavalcanti (1897-1976) no ano seguinte, quando começou a construção. O monumento, de inspiração modernista e influenciado pela obra de Oscar Niemayer, foi projetado para marcar o aniversário de cem anos de fundação do município, levando a arte para a praça pública, nas proximidades do centro da cidade, com o intuito de atingir o transeunte na sua passagem.

O Marco do Centenário foi concebido, segundo o próprio autor, como resposta aos postulados da “nova arquitetura”. “Após procuras, encontramos para o Marco uma forma simples – uma parede que se curva, se desenvolve e se eleva – e a valorizamos com materiais construtivos de nossa época – concreto, cerâmica, pedra – explorando sua cor natural”.

Fonte: https://www.mpmg.mp.br

4695071f3c5c_bernardo_arcuri_20

0a7f5b0fe376_bernardo_arcuri_18

c64378b2ef68_bernardo_arcuri_19

Fonte: http://www.vitruvius.com.br

 

Comente
Copyright 2012 Arsenic Arquitetos

Rua Espirito Santo
nº 1115 - 1901/1902/1903/1904
Juiz de Fora - Brasil
nikola@arsenicarquitetos.com
+55 32 3214-8978